Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2013

Dias 46 a 50 da viagem: Rishikeshi, ioga e Haridwar, norte da Índia

Imagem
Uma pausa para descansar: Rishikeshi, aulas de ioga, rafting e um lugar muito zen no norte da Índia, próxima às cordilheiras do Himalaia.
O trem 12017 partiria às 06:50hs da Estação de Nova Delhi, meu destino anterior. Cheguei meia hora mais cedo para não ter problemas em encontrar a plataforma correta. Na ida a Agra, havia percebido que a estação é imensa, porém naquela situação estávamos com o guia para nos mostrar o local correto. Agora era comigo mesmo. Porém, não houve complicações. Apesar de andar um tantinho, as plataformas são bem anunciadas.

Para andar de trem na Índia, você, já com a passagem na mão, não precisa parar em nenhum lugar e sim ir direto ao trem, em seu vagão e assento corretos. Já havia visto na internet para evitar malandros no caminho que dizem que você precisa de boarding pass. Mas não vi nada do tipo. Talvez eles não estivessem acordado ainda.

Dias 42 a 45 da viagem: Nova Delhi e Agra, na Índia e o belo Taj Mahal

Imagem
Uma visita a Nova Delhi, região administrativa da Índia e cidade de Agra, palco das belas construções do Taj Mahal e Agra Fort.
O vôo de Kochi a Nova Delhi fez uma escala em Hyderabad, e foi pontual. A companhia Spicejet é uma companhia low-cost na qual até a água é paga. E a passagem nem foi tão barata assim (US$ 185) para um voo de 4 horas. Cheguei no aeroporto e aguardei um grupo de turistas brasileiros. Participaríamos juntos de dois passeios nos próximos dois dias: a viagem a Agra e um city-tour na cidade de Nova Delhi.

Dias 40 e 41 da viagem: Kochi, litoral sudoeste da Índia

Imagem
Relato de viagem à cidade de Kochi e seu forte, ex-colônia de Portugal, no litoral oeste da Índia.
A cidade de Kochi, desde seus primórdios, teve a vocação para o comércio portuário, o que atraiu, além dos habitantes da região, sírios cristãos e judeus nos séculos passados. Com a colonização européia, iniciada na Índia através de seu porto pelos portugueses, foi palco de batalha entre esses, holandeses e ingleses.

Vestígios da colonização européia são vistos por toda a cidade, principalmente na área do Forte Kochi e arredores, que hoje é a área turística da cidade e foi o local onde limitei minha visita. Minhas impressões da cidade limitam-se à essa região.

Dias 37 a 39 da viagem – cidade de Madurai, ainda no sul do continente indiano

Imagem
Uma visita à segunda maior cidade do estado de Tamil Nadu na Índia, habitada continuamente há mais de 2.300 anos e local do grandioso templo de Meenakshi.
Na manhã do 36º dia saí do hotel em Trichy e fui à rodoviária para pegar um ônibus a Madurai. Mantendo a tradição nas viagens de ônibus da Índia, assim que cheguei tinha um veículo de saída. E vazio, por incrível que pareça. Consegui um lugar logo na frente para percorrer visualmente a estrada, coloquei o fone de ouvido e me embalei ao som do rock Brasil da segunda metade dos anos oitenta. Nunca mais tivemos tantas boas bandas em um curto período de tempo. Tínhamos que contar o dinheiro para decidir em qual LP investir entre tantas opções. Uma pena que novas tendências da música brasileira ocorreram em detrimento ao rock nacional. Nesse ponto, precisamos resgatar o passado, não há outro jeito... Foi uma viagem de 3 horas tranquilíssima, embora a velocidade média não ultrapasse 50km/h. Uma viagem lenta, novamente.

Dias 35 e 36 da viagem: cidades de Thanjavur e Trichy, Índia

Imagem
Relato de viagem ao sul da Índia: Thanjavur e Trichy e seus incríveis monumentos como o templo Bridhadesswara, Rockfort e Sri Ranganathaswamy.
Acordei bem cedo em Pondcherry para o próximo destino, que ainda estava em aberto entre as duas cidades-título dessa postagem. Havia recebido informações conflitantes dos horários de ônibus e iria pegar o primeiro que aparecesse, para qualquer uma delas. Chegando no terminal, veio uma outra informação: domingo não havia ônibus direto para nenhuma delas. Deveria pegar um ônibus para Viluppuram e de lá procurar esses destinos. O ônibus saiu pouco antes das 6 da manhã e levou uma hora até a cidade. Esses dois dias foram excelentes na convivência com os indianos. Já nesse ônibus, conheci um senhor que me ajudou a localizar, em Viluppuram, o ônibus para Trichy (assim que cheguei já estava saindo, e fiz minha escolha de destino na hora).

Dias 33 a 34 da viagem: Auroville e Pondcherry, sul da Índia

Imagem
Relato de viagem à Auroville e Pondcherry, ex-colônia francesa, quase no extremo sul da Índia.
Após um período de adaptação nesse singular país, mais precisamente na cidade de Mahabalipuram, saí cedo da cidade em direção à Pondcherry. Como acordei meio tarde, peguei um tuk-tuk (rickshaw) para o local do ônibus, prevendo como seria minha primeira viagem de ônibus pela Índia.

Impressionava-me algumas fotos que circulam na Internet desses veículos: caindo aos pedaços e amontoados de gente. Digamos que a viagem não foi perfeita, mas não foi tão catastrófica assim... O ônibus (60 rúpias), embora não seja do nível que vi na Turquia ou mesmo do Brasil, até que era razoável, super enfeitado e bem cuidado (embora velho). O interior era todo estofado até o teto e estava incrivelmente vazio (vejam fotos no Google Photos, no link ao final do texto). A estrada, considerada como uma das melhores da Índia, não prejudicou a viagem, mas mesmo assim, em função do trânsito, demoramos 1 hora e meia para …

Dias 29 a 32 da viagem: Sul da Índia - Chennai e Mahabalipuram

Imagem
Relato da viagem ao sul da Índia: Chennai e Mahabalipuram - Shore Temple, dinastia Pallava, Five Rathas, Krishna´s butterball.
Após a longa escala em Riyad, na Arábia Saudita, parti para a Índia, em Chennai. A cidade foi escolhida por ser a porta de entrada internacional do sul do país, ou mais especificamente, do Estado de Tamil Nadu, o primeiro local a ser visitado nesse país complexo. Uma região que, por estar mais distante das rotas de comércio da antiguidade e das batalhas no Norte com outros povos, sofreu menos influência de outras religiões e possui uma largo legado de civilizações primitivas, que já professavam o hinduísmo a mais de 20 séculos a.C., o que a torna, documentalmente, a mais antiga religião ainda seguida no mundo.

Uma viagem com a Saudia Airlines e escala em Riyad, Arábia Saudita

Imagem
A viagem da Turquia à Índia passando pela Arábia Saudita pela Saudia Airlines - um post para o site Melhores Destinos.
O site Melhores Destinos tem uma seção onde os seus leitores avaliam vôos em diferentes companhias aéreas. Como eu nunca havia visto alguma avaliação da companhia aérea Saudia Airlines, resolvi fazer a minha e enviar para o site, cujo editor publicou nesse link. Deixarei aqui como mais um post acrescentado ao blog.
Como comentei no post de Istambul, comprei uma passagem para a Índia com a Saudia Airlines, em função basicamente do preço (US$385,00). Logo na compra pelo website e contato com o atendimento online, fui informado que havia um problema com os cartões VISA e que a operação não podia ser completada. Tive de ir no dia seguinte no escritório da empresa em Istambul, onde tudo foi resolvido da melhor forma possível, com imensa cordialidade da funcionária.

Dias 22 a 28 da viagem: Istambul, Turquia - Europa e Ásia tudo junto

Imagem
Uma viagem à incrível Istambul, na Turquia. Meio europeia, meio asiática, possui maravilhosas construções como a Hagia Sophia, a Mesquita Azul e o Palácio Topkapi.
Da Capadócia e passando pela capital Ankara, cheguei a Istambul. É uma metrópole complexa, geográfica e historicamente falando. Geograficamente pelo seu relevo irregular, divisões de terra através do estreito de Bósforo e pelo seu tamanho – sua região metropolitana rivaliza com Londres em população. E é a única cidade do mundo pertencente a dois continentes.

Historicamente, pelas suas origens na antiguidade, ainda com o nome de Bizâncio e como capital de impérios culturalmente opostos, como o Império Romano-Bizantino (com o nome de Constantinopla) e Otomano. Em um período de 500 anos, foi a  cidade que deu suporte ao avanço do cristianismo pelo mundo e posteriormente, após alguns séculos de decadência, foi conquistada pelos otomanos e posteriormente tornou-se uma cidade islâmica. A história da cidade é épica, vale conhecer…

A caracterização dos locais nas viagens em diferentes tempos e espaços

Imagem
Como os traços das cidades que visitamos modificam-se no tempo e no espaço?Uma viagem é sempre diferente da outra?
Como expressar um local por meio de uma fotografia ou de um texto? Ou como um local se expressa para o viajante? A resposta não é óbvia. O fato é que a expressão está longe de ser única. Ela é uma função do tempo e do espaço, e pode não ser bem traduzida nas viagens onde nossa presença em um mesmo local seja efêmera, sem um tempo dedicado à uma maior incorporação da sensação de "pertencimento" a aquele momento específico.

Kant chamava o tempo e o espaço de "formas de sensibilidade", e como vemos o mundo através de "lentes" diferentes, percebemos as coisas no tempo e espaço conforme nossa característica inata, ou seja, eles não existem fora de nossas próprias percepções. São sobretudo propriedades de nossa consciência e não simplesmente atributos do mundo físico. Assim, essas expectativas e compreensões serão únicas para cada indivíduo.

Dias 18 a 21 da viagem: Capadócia, Turquia e passeio de balão

Imagem
Viagem à Goreme, nos vales da Capadócia, suas cidades subterrâneas, hiking no Ihlara Valley, tour de 40km de bike e claro,  o passeio de balão.
Fiquei na Capadócia 4 dias e 3 noites. Escolhi a cidade de Goreme como base e não me arrependo. A estrutura é boa para passeios e é a sede do principal ponto de saída dos balões. Como citei no post anterior de Éfeso, peguei um ônibus noturno para Goreme e cheguei na cidade às 07:30hs da manhã, já vendo, bem de perto, os balões subindo pelo horizonte.

Como o check-in dos hotéis ocorreria somente após o meio-dia, aproveitei para tomar um café da manhã, ver preços de passeios e zanzar um pouco na cidade, que me pareceu turística demais para mim. Mais turistas do que habitantes locais. E esses sempre com a atenção voltada para os turistas. Muitas lojas de souvenirs, muitas agências de turismo, muitos restaurantes com preços dobrados em relação às duas cidades anteriores da Turquia que estive. Mas isso faz parte por estar localizada em uma das regi…