O viajante durante a viagem: o elemento esquecido

Reflexão de como nós mesmos, os viajantes, interferimos em nossas próprias expectativas sobre as viagens. E como isso nos torna um elemento esquecido.
É possível planejar tudo?

Como nós mesmos, os viajantes, interferimos em nossas próprias expectativas sobre as viagens?

E como isso faz com que nos tornemos um elemento esquecido?


Um viajante costuma iniciar a sua viagem pelo planejamento. Leituras e interpretação de relatos de outros passageiros, fotos, pratos, cheiros, enfim, a pré-vivência das atrações que desejamos visitar. Quem já não sente essa expectativa antes mesmo de fazer as malas? Seu auge é alcançado na chegada ao destino, onde projetamos a realização de todos nossos planos e desejos. Tais desejos, porém, acabam por sujeitar-se a ser apenas mera causa do prazer que esperamos obter na viagem.

Mas nem sempre acontece dessa forma. O que causa a não conversão das expectativas projetadas em realidade na viagem propriamente dita? Qual o elemento que pode interferir na realização plena de nosso planejamento?

Quando fazemos a nossa transposição física entre a admiração das ilustrações de destinos turísticos feitas antes da viagem com os destinos turísticos concretos, no momento presente da viagem, percebemos que existe um elemento a mais na segunda realidade: nós mesmos. Cansaço, problemas de digestão de novos pratos, preocupações com pessoas, apreensões financeiras, responsabilidades profissionais, enfim, com a vida que ficou em nosso lar.

Reflexão de como nós mesmos, os viajantes, interferimos em nossas próprias expectativas sobre as viagens. E como isso nos torna um elemento esquecido.
Clique para conhecer a parceria com o blog e receber um voucher de desconto

É praticamente impossível desvencilharmo-nos e ficarmos à parte de tudo, como um ser intocável. Mas o fato é que esses fatores influenciam de sobremaneira o nosso dia a dia durante a viagem e podem distorcer, mesmo que inconscientemente, a realidade do momento.

Há solução plena? Não acredito. Há elementos que não podemos, devemos e principalmente, não queremos nos desprender. Faz parte de nossa existência, são nossas realizações, são nossos amores. Isso pode trazer um equilíbrio positivo para a viagem, se esses elementos tornam-se fatores motivacionais para sua existência. 

Mas também pode prejudicá-la se tragarem toda a revelação que o presente, vivente, pode sinalizar para o seu próprio equilíbrio pessoal. O importante e mais sábio conselho é mantermo-nos conscientes. Conscientes de que mais tarde, é possível que reflitamos em quanto tempo passamos cuidando de nossos problemas e de um futuro que demora a chegar, no passado. E como aquele presente foi desperdiçado. 

Sobre o que diz mesmo aquele poema?



* * * * * * * * * *


Uma das atitudes determinantes na economia de sua viagem ao exterior é escolher uma boa casa de câmbio. Nesse blog, temos uma parceria com a BeeCâmbio, que oferece delivery grátis para as principais capitais e excelentes spreads na conversão. Além disso, os leitores do blog possuem um desconto perpétuo de 10% em todas as transações. Veja como associar-se no texto abaixo:




* * * * * * * * * *

Você é de fato um mochileiro? Veja algumas excelentes dicas de como programar seu próximo mochilão no Pinterest. E já que está lá, porque não ver também as melhores fotos de algumas de minhas viagens?

* * * * * * * * * *

As postagens dessas reflexões são parte de uma viagem que começou na Europa, passou pela Ásia e retornou ao velho continente. Veja aqui como foi essa viagem de 205 dias.


Veja mais viagens nessa página, ou ainda, algumas reflexões sobre o tema nesse link.

* * * * * * * * * *

Para receber atualizações de forma exclusiva e gratuita desse blog, clique no link abaixo:


* * * * * * * * * *
Se gostaram do post, que tal compartilhar com amigos em suas redes sociais?

Comentários

  1. Oi André!
    Belo texto!!!
    Apesar de encontrar alguns problemas, estou certa de que a viagem não perderá seu encanto. Em alguns momentos como você relatou que encontrou outros viajantes solitários e caminhou com eles ou elas por algum tempo e ainda encontrará outros, mas, percebe-se que a maior parte do tempo este tipo de viagem é sempre solitária e isto faz com que experimente um tipo de devaneio por todos os lugares que passa e sendo assim, penso que fica impossível não meditar, mesmo que não tenha este costume, pois, entendo que uma vez longe da família e de seu mundo, o viajante solitário se torna autor de tudo que observa e acaba buscando a causa de tudo o que sente, submetendo seu interior a um exame do passado, presente e futuro, refletindo sobre a finalidade de tudo que vê...
    Com certeza, tudo que presenciará e experimentará ainda ficará gravado para sempre em sua vida, então, aproveite estes momentos de reflexão e contemplação, porque apesar dos obstáculos encontrados e da nostalgia que sentirá em alguns momentos, os progressos sobre si mesmo que realizará, fará com que volte desta viagem, mais virtuoso e mais enriquecido espiritualmente.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem isso Nina! Escrevi sobre esses pontos no post "Viagem solo". Vc chegou a ler?

      Obrigado pelos comentários!

      Bjus

      Excluir
  2. Oi André!
    Li sim e agora que fui ler novamente, percebi que muitas coisas das que escrevi tinha tudo a ver com seus escritos quando se programou para a viagem...
    Só estou respondendo agora porque tentei acessar a internet ontem pela manhã e não consegui e sábado e domingo à tarde estive com Lama Michel e cheguei só à noite em casa.
    (Lama Michel é um encanto de pessoa!)
    Onde vai passar ou já passou o natal? De qualquer forma desejo um Feliz Natal para você!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi nina! Eu passei em Bodrum, na Turquia. Vou ver se consigo escrever um post ainda hoje. Bjus!

      Excluir

Postar um comentário