Minhas práticas com corretoras de valores e uma tabela de custos




Alguns comentários sobre experiências e tarifas em 6 corretoras de valores no Brasil: Easynvest, XP, Rico, Socopa, Modal e Clear. 

Suas taxas de operação variam mais de 2.000% e é essencial avaliar suas reais necessidades para escolher corretamente a corretora ideal.

Fiz minha estreia na Clear no mês passado e no processo de decisão, criei uma tabela de preços e custos para analisar a melhor opção. Adicionalmente, criei uma calculadora simples que calcula automaticamente sua despesa mensal com base nos valores cobrados de cada corretora. Acesse essa facilidade na sequência desse texto.


Opero com corretoras já há mais de 10 anos, e me considero um cliente relativamente fiel. A Easynvest, por exemplo, foi minha primeira escolha (através da antiga Título Corretora) e até hoje ela custodia meus títulos do Tesouro Direto. Comecei a operar com ações com a própria Título e posteriormente, com a Rico (ex-Link e ex-Octo) e a XP, que por um tempo custodiou uma boa parte de minha carteira de investimentos.

Há cerca de 3 anos comecei a usar a Socopa e estava plenamente satisfeito até o surgimento de uma guerra de preços na segunda metade de 2017, onde duas corretoras despontaram como protagonistas: a Modal e a Clear. Inscrevi-me na Modal (na Clear já tinha cadastro, mas não operava em função da tabela de preço antiga) e comparei ambas. Explico abaixo porque preferi a segunda opção.

Apesar de operar relativamente pouco, não abandono uma das bandeiras mais importantes para se alcançar a independência financeira: manter os custos baixos. E, se um dia ou outro eu ainda desejar brincar de day-trade, é bom estar em uma corretora que possua um custo significativamente mais baixo. Melhor então, pesquisar e escolher a melhor opção, correto?

Ah, caso você não esteja a fim de ler minhas opiniões sobre as corretoras e desejar somente ir à tabela de comparação de custos,  role até o final do sub-item "6 - Custos" e acesse diretamente a planilha. O link é direto: nenhuma informação adicional será solicitada.



Como escolher uma corretora de valores


Antes de escolher uma corretora, o investidor deve definir em qual mercado operará. A opção poderá ser diferente caso os investimentos-alvo recaiam somente em ativos de renda fixa em comparação com investidores que operam em renda variável. Mesmo entre as alternativas desse mercado, existem variações de preços para ações, FIIs ou operações de day-trade. O importante é, inicialmente, não perder o foco de seus objetivos, e com base nessa ideia, comentarei minha visão e práticas relevantes entre as corretoras em cada item abaixo.


1. Segurança


Quando expus minha saída do Bradesco para o Banco Inter, dediquei no artigo considerações sobre a saúde do banco através das análises de seus balanços trimestrais e do site Banco Data, que também pode ser consultado para verificar a condição financeira das corretoras de valores. Para essas, entretanto, apesar de muitas pessoas as olharem com desconfiança, você não precisa se preocupar tanto com segurança.
Se você é cliente de grandes bancos e ainda paga tarifas, veja o artigo "Por que abri uma conta no Banco Inter e deixei de usar o Bradesco" para entender a importância em manter custos baixos para alcançar mais rapidamente a liberdade financeira.
A preocupação é menor porque seus ativos não ficam custodiados na corretora. Ela é apenas um agente intermediário entre você e os estabelecimentos de custódia. Mesmo que ela venha a falir, seus ativos estão preservados e é relativamente fácil transferi-los para outra corretora posteriormente. E, como não temos muitos históricos negativos com corretoras de valores no Brasil, acredito que não há necessidade de gastar muita energia com isso.

O dinheiro parado na conta da corretora, é, contudo, uma exceção na segurança dos ativos: não existe garantia em seu ressarcimento. Além disso, o montante não é remunerado. Logo, é só possuir um bom hábito em não deixar muito dinheiro parado na conta, o que será algo um pouco mais complicado apenas para quem opera mercados futuros de dólar e índice.

A maioria das corretoras permite que o cliente coloque ordens de compra sem a necessidade de possuir o dinheiro na conta, através de uma margem garantida pelos seus ativos, exposta na tabela de comparação de custos. Isso é importantíssimo na tomada de decisão. Explicarei com mais detalhes quando explicar cada uma das colunas da tabela mais adiante.


2. Atendimento e Assistência


É normal termos a impressão, assim como bens vendidos no comércio, que os produtos mais caros possuem melhor qualidade. Nada mais falso. E isso vale também para as corretoras de valores.

As duas corretoras que possuem os maiores custos em renda variável são a Rico e a XP (que pertencem ao mesmo grupo, juntamente com a Clear). Após não receber retorno em 3 dias por e-mail, me aventurei em seu chat disponibilizado no site. Impossível. O atendimento robótico domina, nunca respondendo exatamente o que queremos. Tentei posteriormente pelo Facebook. Até agora estou esperando as informações que não consegui preencher na tabela. Ou seja, cobra caro mas mesmo assim não entrega um bom atendimento.

Quanto às demais, recebi respostas do e-mail no dia seguinte da Socopa, Mirae e Easynvest. No dia seguinte, ou seja, em D+2, da Clear. A Modal não respondeu o e-mail, mas consegui as informações posteriormente via chat.

A Modal e a Clear são as corretoras mais agressivas em corte de custos, mas um dos motivos que fez com que eu não operasse com a primeira foi a demora nos atendimentos. Durante o mês de Novembro e Dezembro a média em espera sempre foi muito alta no chat do home-broker da Modal. Segundo informações em grupos de redes sociais, isso estaria ocorrendo porque ela cresceu muito depressa e ainda não fechou a contratação de todo o seu quadro de pessoal. Talvez também precisem treiná-lo melhor, pois em alguns momentos, fui atendido por pessoas muito despreparadas para a resolução de problemas.

Meu histórico com a Easynvest, XP, Rico, Socopa, Modal e Clear e a tabela atualizada de comparação de preços e custos de operações das corretoras de valores.
Impossível, inútil e  imbecil
O tempo de atendimento da Clear sempre foi melhor e mais consistente. Todos os operadores resolveram minhas dúvidas satisfatoriamente. Nesse ponto, ela ficou em vantagem, embora nada tire o título da Socopa nesse quesito. A manutenção de minha conta e parte dos ativos na empresa possui total relação com o ótimo atendimento que oferece. Algumas vezes liguei por telefone e sempre era prontamente atendido (o que foi algo impossível na Modal).

A Rico e a XP, como eu disse, decepcionaram, embora não me recorde muito bem do atendimento da Rico na época em que era cliente da mesma. Já o que diferencia a XP das demais nesse quesito é a possibilidade da companhia de um agente autônomo próprio, ou seja, escritórios especializados em investimentos que podem oferecer atendimento exclusivo.

Eu, quando cliente, era suprido pela MS Investimentos, aqui mesmo em Campinas, mas nunca precisei desse atendimento. O agente autônomo sempre me ligava para saber se estava tudo bem e acredito que ficava decepcionado quando eu dizia que sim e não precisava de nada... Mas para fazer justiça, um dia ele me ofereceu uma migração vantajosa no meu então plano previdenciário e eu aceitei. Entretanto, há uma política de atendimento para essa facilidade que depende do montante que você possui investido na corretora.

3. Gurus de investimentos


Algumas corretoras utilizam nomes conhecidos no mercado, principalmente na análise técnica, para conquistar novos clientes. A Clear, voltada mais à traders, sempre possuiu uma equipe famosa, mas a Modal tem contratado alguns nomes de peso. Rico e XP investem em grandes nomes também. Já a Socopa ou a Mirae não utilizam desse marketing.

Meu pitaco aqui é o seguinte: você é uma pessoa que compra um produto apenas porque o Neymar, o Tony Ramos ou a Fátima Bernardes estão o anunciando? Acredito que os leitores já saibam minha opinião sobre isso: nada disso importa, a não ser que você vá usar alguma ferramenta muito específica de alguns analistas. Por exemplo, se você prefere operar por análise técnica, leu e gostou do livro do André Moraes, talvez se sinta à vontade de operar na Clear, onde ele possui uma sala de análise diária.

Mas, na maioria dos casos, não se deixem levar por esses apelos. Avalie realmente qual sua demanda e aja conforme suas necessidades. Esse foi um item que nunca teve influência alguma em minhas decisões.

4. Menu de investimentos


Vejo em grupos nas redes sociais que muitos gostam de determinada corretora em virtude das opções de investimentos que oferecem aos seus clientes. CDBs, LCIs, COEs, ofertas públicas, debêntures, etc. Eu tenho dúvidas se isso é muito relevante, pois em sua maioria, não há contratos de exclusividade de tais produtos com tais corretoras. E a maior oferta em uma delas, pode ser algo transitório.

Se você gosta de manter as coisas simples como eu, não deve perder tempo com isso. Eu concentro meu patrimônio em renda fixa em títulos públicos e bons títulos bancários. Não tenho necessidade de corretoras para isso. Aliás, é muito mais vantajoso ser correntista do banco e realizar seus investimentos por lá. O risco é o mesmo e você recebe uma remuneração maior, pois comprando um título bancário pela corretora, você paga um spread, ou seja, uma tarifa escondida. A corretora pode propagandear que não possui tarifas para renda fixa, mas oferece um CDB a 100% do CDI de um Banco X, e esse mesmo banco X disponibiliza o mesmo CDB por 102%. Pronto, você pagou 2% do CDI como uma taxa oculta!
Esse é um das formas de velar a verdade em seu menu de opções. E o que está oculto pode ser algo ruim ou bom. Os próprios descontos nos custos das corretoras nem sempre estão disponíveis. Veja em "Dos investimentos às despesas: seu menu de opções é completo?"
Algumas pessoas, em redes sociais, dizem que há algumas limitações de investimentos em algumas corretoras. Por exemplo, a Modal não permite a compra de ofertas de cotas de FIIs para investidores não qualificados (com investimentos abaixo de R$ 1.000.000,00) para fundos que exigem essa condição, enquanto outras permitem. Veja que estamos falando de casos específicos e, se você opera ou pretende operar determinada situação, deve conversar antes com a corretora antes de uma possível migração. Uma saída, entretanto, é manter contas em mais de uma corretora que não cobra custódia para aumentar sua chance de bons negócios.

5. Plataformas e Home-broker (HB)


Se você opera constantemente, usará muito as plataformas de negociação e home-brokers das corretoras. Quem opera com day-trade, ainda vai exigir uma boa plataforma gráfica. As maiores corretoras de valores possuem a opção gratuita de uma das mais conhecidas plataformas do mercado: a "Metatrader 5". O menu de opções é extenso e os preços são normalmente vinculados a uma corretagem mínima mensal. O melhor é analisar as condições de oferecimento da plataforma desejada em cada uma das empresas.

Se você não opera com day-trade, não há a necessidade de usar plataformas gráficas, e um bom home-broker (HB) dará conta do recado. A maioria dos HBs das corretoras possui gráficos simples para consulta, permitindo a incorporação de indicadores de médias móveis, bandas, tendência, volume, etc, além de outras funções úteis e necessárias à determinadas estratégias.

Eu gostava muito do HB da Rico e da XP, porém, como hoje não tenho mais acesso, não posso opinar. Ouço menções positivas a eles nos grupos de redes sociais. Se você opera por essas corretoras e quiser deixar seu comentário abaixo, será muito bem-vindo!

Entre as corretoras que opero atualmente (Easynvest, Socopa e Clear) e possuo conta e acesso (Modal), eu prefiro utilizar o HB da Socopa. Embora este tenha uma aparência mais antiga, é o mais versátil, pois consigo colocar várias abas no grid de cotações de uma forma simples, e oferece excelentes variáveis para otimizar as colunas, diferentemente do grid da Modal e da Clear.

A plataforma da Clear é muito bonita, mas limitada. É possível realizar as operações básicas, mas para analisar um gráfico, por exemplo, você precisa ter o Metatrader instalado em seu navegador. Idem para a plataforma on-line da Modal, que possui uma usabilidade meio confusa. Entre todos elas, considero a pior. A Easynvest apresenta um lay-out muito bonito, mas ela não permite boas customizações das janelas de operação (para quem usa monitor ultra wide, é um desperdício), embora possua um bom gráfico integrado no próprio home-broker.

É claro que essa categoria para a escolha da melhor corretora é algo muito pessoal. Eu continuo usando a Socopa como home-broker pessoal e só abro a página de outra corretora se precisar alterar a condição de algum ativo lá custodiado.



6. Custos


Não é à toa que o item das despesas com taxas e tarifas ficou por último. As pessoas possuem uma tentação de sempre procurar a operação mais barata sem analisar as demais condições. Diminuir os custos de operação é importantíssimo para maiores aportes em investimentos e a abreviação do tempo até a independência financeira, mas é necessário avaliar também os benefícios oferecidos em cada uma das corretoras. Espero que eu tenha dado uma boa ideia nos comentários acima.

Dito isso, passaremos à parte final desse texto, que consiste na apresentação dos custos das corretoras citadas nas principais operações realizadas pelos investidores. Para isso, acompanhe o texto com a tabela aberta em outra aba. Ficará mais fácil a compreensão para as pessoas que não conhecem alguns conceitos utilizados no mercado.

Faça sua cópia da tabela e calculadora dos custos das corretoras neste link

A ideia é manter a planilha disponível e em constante atualização. Espero que ela funcione como um guia para novos investidores que buscam menores custos nas corretoras de valores brasileiras. Aceito informações de correções e de inclusão de outras corretoras não citadas nesse texto. Por ora, preferi priorizar as maiores corretoras do mercado.

A tabela de custos/preços operacionais das corretoras de valores


As corretoras estão apresentadas na coluna "A" a partir da linha "7". As diversas operações, expressas nas linhas "4" e "5", envolvem tantos os custos quanto as informações de margens e serão explicadas nos tópicos abaixo. A calculadora está nas linhas "16" a "22" e colunas "V" e "W". Coloquei uma seta para identificá-la em monitores menores. Vamos às explicações das colunas e posteriormente, da calculadora.

Custódia do Tesouro Direto


O Tesouro Direto cobra uma taxa anual de 0,3% sobre o montante aplicado. Além desse custo, algumas corretoras de valores possuem uma tarifa adicional, cuja cobrança já foi muito comum e hoje, com a maior concorrência, é isenta na maioria delas. Se esse artigo fosse publicado no mês passado a Socopa seria o destaque negativo com a cobrança de 0,1% do investimento. Mas nesse ano de 2018, a corretora deixou de cobrá-la. Lembre-se porém, que essa isenção não é consenso no mercado em geral. Grandes bancos, como o Bradesco e Itaú, cobram 0,5% anualmente do valor de seu patrimônio.

Meu histórico com a Easynvest, XP, Rico, Socopa, Modal e Clear e a tabela atualizada de comparação de preços e custos de operações das corretoras de valores.

Custódia de renda variável


Sobre a renda fixa, todas as corretoras dizem que não cobram taxas. Atente apenas para o aviso dos spreads de taxas de títulos que falei anteriormente na seção "menu de investimentos". Já as cobranças das taxas de custódia sobre a renda variável já foram muito comuns até recentemente, mas com a guerra de preços, a maioria das corretoras as eliminaram de seu quadro de tarifas. As corretoras que ainda cobram tal tarifa é a Mirae (incluída após esse texto) e a Socopa, sendo que nessa última, se o investidor realizar uma operação mensalmente na B3 (BMF&Bovespa), como compra ou venda de ação ou opção, esse custo é isento.

Preço das ordens de compra e venda (posição)


"Posição" significa a manutenção de um papel por um prazo maior do que um dia (diferentemente do day-trade). Veja que coloquei sub-colunas para 4 ativos: ações, opções, fundos imobiliários e ETFs.

Para entender mais sobre cada ativo, expliquei brevemente o que significa cada um deles, além de uma sugestão para a criação de uma carteira de investimentos no artigo "A Alocação de Ativos ao alcance de todos".

Nesse custo ocorre a maior variabilidade entre as corretoras. Temos desde as tarifas caríssimas da XP Rico até os valores baixos da Modal, Clear e Mirae, deixando a Socopa e a Easynvest em uma situação intermediária. A Socopa possui a vantagem, entretanto, de não cobrar tarifas (R$0,00) para a compra e venda de fundos imobiliários (FIIs) e ETFs. Se você opera apenas esses ativos, pode ser a melhor opção.

Cabe aqui um importante adendo: muitas tarifas podem ser negociadas com a corretora, em função de seu histórico e do montante investido. Eu, por exemplo, pago R$ 3,00 na Socopa ao invés de R$ 7,00. Existem grupos na Modal onde a tarifa de R$ 2,49 é reduzida para R$ 1,49. E já vi pessoas dizendo em grupos sociais que renegociaram uma tarifa de R$ 3,50 na XP e R$ 8,90 na Rico, uma redução e tanto (não tenho meios para provar tal afirmação, mas acredito que seja uma real possibilidade).

Eu coloquei essas tarifas renegociadas na coluna "E", que mantive oculta para não criar confusão em um primeiro momento. Repare que nas colunas "V" e "W", são fornecidos dois resultados da calculadora: um para as tarifas padronizadas e outro para as tarifas melhor negociadas a que tenho conhecimento.

Preços e margens para mini-contratos day-trade e posição


As colunas "J" a "M" compreendem os preços e margens para negociação de mini-contratos em day-trade (compra e venda - ou o inverso, no mesmo dia), enquanto as colunas "N" a "Q" para posição (operações em dias diferentes).

As tarifas são sempre por ordem enviada. "Margem" significa uma garantia que você deve manter na corretora para que possa efetuar suas operações. No caso do day-trade, essa margem deve ser em dinheiro depositado na conta e para posição, podem ser seus ativos em custódia, em geral, com algum deságio.

Clear, fazendo jus à fama de corretoras dos "traders", se destaca tanto nos custos operacionais quando nas margens reduzidas. Como a maioria das corretoras, ela possui pacotes de ordens que você pode "assinar" diminuindo seu custo unitário. A Socopa, por exemplo, vende um pacote mensal de R$ 3.750,00 onde você pode operar 15.000 mini-contratos no mês, reduzindo o custo para R$ 0,25 a ordem. Imagine: isso dá quase 700 ordens por dia! Só com operação via robôs mesmo...

Aluguel de Ações


A operação de aluguel de ações pode ser realizada de duas maneiras: do lado do doador ou tomador. O segundo é realizado mais por traders, que alugam as ações de outrem para realizar operações no mercado extraindo um lucro maior do que o custo em seu aluguel. Já o lado do doador pode ser uma boa solução para quem faz a estratégia de buy and hold para valer, ou seja, compra suas ações e pretende ficar um grande tempo com elas.

Quando você atua como doador, você disponibiliza suas ações para serem utilizadas pelo tomador, mantendo seus direitos de dividendos e JCP (juros de capital próprio). Porém, não possui suas ações disponíveis para vendê-las até que o seu contrato de aluguel termine. Em geral, os contratos são reversíveis, ou seja, podem ser encerrados antes de seu vencimento pelo tomador e nesse caso, o doador recebe a taxa estipulada proporcionalmente. Veja mais detalhes nessa página da Modal.

Os custos dos aluguéis de ações são expostos de formas mais variadas possíveis, assim, peço atenção na tomada de decisão. Algumas corretoras cobram uma taxa fixa, outras um percentual sobre o montante e outras um percentual sobre a taxa de remuneração. Além disso, diferenciam as cobranças com base no valor das taxas, disponibilizando uma tabela para o cliente. Assim, confirme na corretora antes de qualquer operação o quanto pagará pela mesma. Algumas taxas tornam seu custo-benefício inviável.

Limite de margem


Comentei sobre esse tópico anteriormente no texto e reforço sua importância. Acredito que esse, junto com o atendimento e os custos, são os principais fatores para a escolher uma boa corretora de valores se for operar na renda variável.
Ainda iniciante e não sabe a vantagem e a desvantagem de cada mercado? Veja "O que é melhor para seus investimentos: renda fixa ou renda variável?"
Uma operação de compra desses ativos envolve o envio inicialmente de uma ordem de compra à corretora. Caso o cliente não tenha um limite de margem de operação, é necessário que ele possua um saldo mínimo na conta corrente da corretora no mesmo valor. Essa situação não permite que seu dinheiro disponível para a compra de ativos seja remunerado. Além disso, como comentei anteriormente sobre a segurança das operações, devemos evitar manter o dinheiro parado na conta da corretora pois, em caso de uma improvável falência, podemos não reavê-lo posteriormente.

O limite de margem permite que o cliente lance suas ordens de compra sem possuir saldo na corretora e, se executadas, transferir o valor da operação até em D+3 para sua conta. É a forma como opero: meu dinheiro disponível para investimentos rende em um CDB no Banco Inter e, se alguma ordem de compra for fechada, transfiro o montante para a corretora e a operação é liquidada.

A Mirae possui uma grande desvantagem nesse quesito, uma vez que a resposta do e-mail que enviei foi bem clara ao afirmar que não opera com limite de margem. Na Socopa eu possuo 80% do meu portfólio como garantia e na Clear, 100%. O limite de margem é negociável: em geral, quando você torna-se cliente em uma corretora, ele é zero. Cabe a você negociar esse valor antes.

A situação ideal nesses casos é operar na mesma corretora de seu banco, evitando transferência entre instituições. Porém, as corretoras de grandes bancos cobram taxas elevadas de operação, inviabilizando o processo. O Banco Inter não cobra taxa para Tesouro Direto, e para seus clientes, é viável investir nessa modalidade através do próprio banco, embora ele não possua plataforma para operar renda variável. A Modal está estreando o seu banco digital e promete agitar o mercado. Lembre-se entretanto, que isso envolve um pouco mais de riscos por investir seu dinheiro em bancos menores.

Tarifa de saque


Essa tarifa é paga como um TED para transferir seus recursos da corretora. Antes normalmente cobrada, foi suprimida por quase todas as corretoras com a guerra de preços recente. Apenas a Mirae cobra o valor de R$ 6,50 para transferências inferiores a R$ 500,00.

Calculadora dos custos de operação nas corretoras


A calculadora na tabela foi pensada em oferecer uma noção de quanto será o seu custo mensal em tarifas em cada corretora, modulada pela quantidade de operações e quais ativos opera. É um cálculo simples, mas como está automatizada para cada uma das opções, torna a visualização mais fácil.

Preencha o saldo que possui no Tesouro Direto, o número de operações mensais que costuma fazer para ações e opções, fundos imobiliários e ETFs e a quantidade de ordens de mini-contratos de posição. Restringi o cálculo a essas operações por serem as mais utilizadas pelos investidores.

Os resultados aparecerão nas colunas acima "V" e "W", sendo que na coluna "V" serão os custos-padrão das corretoras, sem negociação de tarifas. Na coluna seguinte, os custos considerando as melhores negociações que eu tenho conhecimento através das informações que captei em grupos de discussão e com minha própria experiência, expressos na coluna oculta "E". Não é garantido que todos consigam os valores renegociados, pois isso depende de seu histórico com a corretora e de seu volume de investimentos. Mas fornece uma ideia de até onde você consegue barganhar.


Palavras finais


O intuito desse texto foi, além de fornecer um conhecimento geral sobre as corretoras de valores para os mais leigos, ajudar a todos que procuram serviços de qualidade a custos menores. E isso não é possível isoladamente, mas também coletando informações pela net e grupos e discussão.

Agradeço indiretamente a todos que contribuíram com pareceres nesses grupos e ajudaram a incluir mais informações nas planilhas, especialmente no campo de negociação das tarifas com as corretoras, que envolvem casos bem particulares.

Se os leitores desejarem ajudar novos investidores no futuro, informem nos comentários desse artigo informações desatualizadas ou suas opiniões sobre a corretora de valores que utiliza. Caso ela não esteja listada na planilha, uma vez que, a princípio, coloquei apenas as maiores do mercado, farei sua inclusão.

Espero que essas informações ajudem vocês a contratar (ou recontratar) um bom serviço e a possuir menores custos nas operações financeiras e, com isso, facilitar sua jornada até a independência financeira.



* * * * * * * * * *

Se tiver interesse na minha história financeira e como tudo começou, leia "Minha biografia e os 5 elementos que compõem a inteligência financeira"

Veja mais artigos sobre liberdade financeira nessa página
* * * * * * * * * *

Para receber atualizações de forma exclusiva e gratuita desse blog, clique no link abaixo:



* * * * * * * * * *

Gostou do artigo? Gostaria de dividi-lo com alguém? Compartilhe-o!

Comentários