Cartas a um eleitor petista (II): sobre corrupção e poder

A grande hipocrisia ou o falho modelo mental em votar no PT e defender o combate à corrupção, um simples meio para auxiliar o projeto de poder do partido.
Uma folga para os Irmãos Metralha

Como é grande a hipocrisia (ou como é falho o modelo mental) em votar no PT e defender o combate à corrupção, usada como um claro meio para dar auxílio ao projeto de poder do partido.


Caro eleitor petista, estou um pouco sem tempo para escrever esses dias e queria, genuinamente, escrever sobre algum tema alheio à política, mas o escândalo da Petrobrás está tão estampado nas notícias, que achei que valeria a pena tecer alguns comentários do tema para você. Vamos assim, conversar sobre corrupção? Afinal, se você já tinha votado no PT antes, você colaborou para essa situação, não?

Talvez você se lembre que no artigo anterior eu mostrei a incoerência em votar no PT e concomitantemente pregar o repúdio à liberdade e a aversão à ditadura. Hoje vou mostrar como vocês, votantes do partido da estrela vermelhinha, são incoerentes ou hipócritas em defender o combate à corrupção e sonhar com um mundo mais justo, fraterno e igualitário. A defesa que você faz contra a corrupção só pode ser fruto de uma inconsistência mental ou de interesses próprios, caso você receba benefícios dessa prática. Não há outra alternativa. E vou mostrar a seguir o porquê.

Sua primeira tentativa de argumento tateará o fato de que a corrupção não foi inventada pelo PT. Eu concordo com você. Desde que os homens começaram a viver em sociedade, o desvio de dinheiro ilícito surge como um dos objetivos de muitas pessoas desde que possuam o acesso a essas tentações e a possibilidade de transformá-las em realidade. Veja bem: os agentes possuem a possibilidade de transformá-las em realidade. O PT, além de facilitar essa conversão, foi além: promoveu a institucionalização dessa prática.

Estabeleceu-se a corrupção sob a proteção do Estado, abrigando somas exorbitantes de desvio de dinheiro público sob o pretexto de supostos "fins nobres". O maior salto de "qualidade" que ocorreu no Brasil nos últimos anos foi justamente esse: o da degradação política. Visando permanecer no poder e consolidar seu projeto de poder gramsciano, o partido que recebeu seu voto, eleitor, acreditou que o caminho mais produtivo passaria pela criação de um sistema de corrupção para fins políticos, como a compra de apoio e o silêncio a oposição. Nunca na história desse país isso, de fato, ocorreu eleitor. E você colaborou com essa prática.

O ideal do PT não é converter o suor, o conhecimento ou a capacidade das pessoas em recompensas, mas sim, suas conexões, suas amizades e sua ideologia comum. Patrocinou de forma incisiva a inversão da virtude, da ética e da moral quando tratou condenados pelo STF por corrupção, como heróis. Violentou de forma assustadora o conceito de público e privado, disseminando para as massas o ideal do Estado provedor ao mesmo tempo que o usava para seus interesses particulares. Transformou delitos em práticas aceitáveis, como o caixa dois. Usou as estatais como cabides de suporte financeiro para sua escora política. Calou com muito dinheiro, entidades historicamente combativas como a UNE. E prepara o seu grande salto: aparelhar também o Poder Judiciário, colocando sob o abrigo do estado de direito suas nefastas práticas políticas.

Poderíamos escrever páginas e páginas de exemplos sobre esse perfil de práticas na última década, mas isso nunca será suficiente para você, eleitor petista, que insistirá que todo esse volume de irregularidades sempre existiram, mas foi o PT quem permitiu que fossem apurados. Caro colega, você, de fato, acredita nisso? Mesmo? Ou é uma tentativa patética de defesa para não ter que reconsiderar sua posição política? Vamos pensar o seguinte: se a Dilma ou o PT tivessem o poder de "desligar" e abafar todo esse fluxo de notícias escabrosas, você acha que eles não o fariam?

A grande hipocrisia ou o falho modelo mental em votar no PT e defender o combate à corrupção, um simples meio para auxiliar o projeto de poder do partido.
Muitos crescidinhos ainda não abriram os olhinhos...
Uma das grandes falácias em que você acredita é que o PT possui a faculdade de influir decisivamente nas decisões da Polícia Federal, órgão que tem feito o maior trabalho na elucidação da corrupção no país. Não! As prerrogativas de investigação da PF não provém do chefe de Estado e sim da constituição do país. As investigações estão sendo feitas não por causa do PT, mas sim, apesar do PT. Na verdade, o que o partido deseja é possuir um controle de fato da PF para filtrar o que pode e o que não pode ser investigado. Enquanto não consegue consolidar esse controle, prossegue reduzindo constantemente o investimento no órgão. Esse sim é um bom exemplo do compromisso do PT com a investigação da corrupção no país. Comparando com a entrevista de Dilma anteontem na Austrália enaltecendo o suposto papel do governo em apurar as denúncias, percebe-se quão a hipocrisia reina dentro desse partido. Que está no poder com a ajuda de seu voto, vale lembrar.

Outra falácia em que você deve acreditar é a boa intenção do partido na proposta de diminuir a corrupção através da reforma política, mas sinto, isso é apenas um pano de fundo para o domínio e controle definitivo do Estado, comentados em vários artigos desse blog que analisam o projeto de poder do PT. Não insistirei aqui pois foge timidamente do tema da corrupção e o blog já possui um rico material para pesquisa, se quiser aprender.

Mas provavelmente, você me dirá: a corrupção vai existir em qualquer governo e não adiantaria tirar o PT do governo para tal. Bem, todos os argumentos anteriores e suas fontes tendem a mostrar que a saída desse grupo do poder reduziria sim, a corrupção; mas é verdade, certamente não a extinguiria. Porém, apenas por essa base de redução, minha decisão de não votar no PT já poderia ser justificada. Mas existe algo além que já abordei em outros artigos: insistir na concepção do Estado provedor é insistir no poder de um grupo privilegiado e na facilitação e ocorrência de corrupção. Mais Estado significa mais poder. E mais poder significa mais corrupção. Assim, eleitor, cada vez que você emite comentários raivosos contra a privatização e contra o liberalismo, defendendo o Estado-babá, você está colocando-se a favor da corrupção. Pode até ser de forma inconsciente. Mas que está, está! E esse é o discurso do PT e de suas linhas auxiliares da esquerda, não?

Veja por exemplo o intricado sistema de corrupção que foi montado na Petrobrás e está permanentemente na mídia nos últimos meses. Ele existiria se a Petrobrás fosse uma empresa privada e os interesses de seu negócio fossem dar lucros aos acionistas? Lucros aos acionistas? Sim, companheiro, isso é benéfico ao país! Desde que exista, claro, condições para a competição dentro de um livre mercado. Lucros aos acionistas significam melhor eficiência e eficácia nas operações através de um melhor uso dos recursos. Lucros significam a manutenção e ampliação de um mercado consumidor, fornecendo competitivamente um produto melhor e mais barato. Lucros significam mais impostos para serem aplicados de forma mais produtiva para quem de fato necessita de meios para construir sua independência futura. Porém, lucros só serão benéficos quando beneficiarem de forma legal uma empresa e não somente alguns privilegiados que dela se apoderam. Você, eleitor petista, brada contra os lucros empresariais mas aceita que um pequeno número de políticos e apaziguados encham os bolsos de dinheiro. E ainda o fazem acreditar que é para o bem coletivo. E claro, você acredita... Afinal, o petróleo é nosso, certo?

E se multiplicarmos essas práticas imorais para a Eletrobrás? Para os Correios? Para a CEF e Banco do Brasil? Infraero? Quantos bilhões são constantemente desviados para a consolidação desse projeto de poder? Ou você ainda acha que essa turma tem uma preocupação genuína em melhorar a saúde e a educação nesse país? Possivelmente, esses serão um dos temas de uma próxima carta para você.

Primeira carta: sobre ditadura e liberdade.
Terceira carta: a mentira e o estelionato eleitora.

A primeira e terceira carta ao eleitor petista, e artigos sobre ditadura e liberdade nesse link.

Mais artigos sobre Política e Estado podem ser vistos aqui.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Liberdade e poder: os direitos naturais de John Locke revisitados (1)

Porque abri uma conta no banco Inter e deixei de usar o Bradesco

"Dieta" paleo, low carb e jejum intermitente: minhas experiências