ofertas de lancamentos

O culto a um ex-presidente como um retrato da idiocracia no Brasil

Como o culto ao ex-presidente Lula, mito inexistente, prejudica a ética, a moral e os valores de uma sociedade vítima de uma idiocracia institucionalizada.

Como o culto ao mito do ex-presidente Lula e a construção de uma biografia falaciosa atenta contra a ética, a moral e os valores de uma sociedade vítima de uma idiocracia institucionalizada.


Há algum tempo escrevi um texto que considero um dos melhores desse blog (Idiocracia: uma sociedade medíocre), onde citei que o idiota é a pedra angular para a manutenção de um sistema de poder, e uma das formas que alimentam tal comportamento é o culto à personalidades, muito comum nos regimes ditatoriais. No Brasil, o maior exemplo que possuímos hoje é a reverência ao ex-presidente Lula, uma pessoa cuja ética e atitudes morais ficam ainda mais evidentes quando associadas a um ex-presidente da república e miseravelmente, uma das vozes mais influentes da nação. A maioria dos mitos, entretanto, sempre caem por terra e estamos, felizmente, passando por esse processo. Acredito nisso, independente dos resultados dessas eleições.

Lula representa o que de pior esse país produziu na política, mas o trabalho midiático realizado sobre sua pessoa cegou a população de tal maneira que muitos ainda considerarão tais palavras ditas nesse texto kafkanianas. Lula, a pessoa que não trabalha há 40 anos e vocifera contra uma elite da qual faz parte, é o anti-exemplo para tudo. De ignorar as instituições brasileiras como o STF e colocar-se acima delas. De fazer a apologia da ignorância e deixar claro que nunca estudou porque não quis e mesmo assim, foi presidente da república, dando um exemplo funesto a todos os jovens brasileiros. De fazer apologia à mentira, dita sem constrangimento quando era-lhe conveniente. Uma pessoa movida apenas por interesses pérfidos, e nunca por princípios e valores. Uma pessoa que já demonstrou publicamente o ódio à real democracia e de todos aqueles que arriscam criticá-lo, como a imprensa independente. Uma pessoa que considera uma vingança pessoal vencer uma eleição. E recentemente, o anti-exemplo na prática da mentira, da baixaria e do vale-tudo no processo de difamar a oposição.

Se o leitor ficar constrangido com essas considerações, assista ao menos os vídeos nos links acima e tire sua própria conclusão.

Foge aqui nesse momento entretanto, enumerar todos os obstáculos que essa pessoa representa para a construção de uma sociedade digna (um resumo de vários vídeos sobre Lula e o PT podem ser vistos nessa página). Na verdade, meu objetivo nessa postagem é publicar um texto excelente do psicólogo e professor universitário Hermes Balbino, o qual li hoje em sua página do Facebook, que foca na busca do poder apenas pelo poder.

"Bom dia 

Estou estarrecido com a conduta do Sr. ExPresidente, que tem dado shows de péssimos exemplos para quem um dia ocupou posição de líder da Nação. E em posição de observação, olho e percebo a história que se constrói do outro lado do rio. Sinto a necessidade de percorrer o sentido e o propósito dessa violenta campanha que o Partido do atual governo está empreendendo para manter com gana sem medidas o poder em nosso país.

Uma marca dos tiranos e ditadores - como Joseph Stalin, Adolf Hitler, Fidel Castro, Hugo Chavez - é tirar de sua frente aqueles que se opõem às suas ideias e ao regime. Não suportam a possibilidade da oposição. A História conhece o resultado do enfrentamento que bravos defensores da liberdade empreenderam contra estes déspotas obcecados pela conquista e manutenção do Poder. Foram presos, torturados, mortos ou forçados a se ausentarem da luta através da minimização moral provocada por estes irresponsáveis, que teve como efeito a difamação e a destruição de suas histórias. Os psicopatas não se saciavam com a punição, mas se alimentavam com o avanço dos tentáculos no Poder. Praticar a estratégia do medo era arma eficaz, pois mantinha os adversários aprisionados pela necessidade de sobrevivência.

As marcas que a ditadura deixou em nosso país acenderam nos brasileiros o sinal de alerta constante contra os movimentos que sugerem a opressão como linha de conduta para governar. Se as evidências de fatos e eventos sugere que isso nem passa perto de ser possível neste tempo em que vivemos na Pátria amada, muitas estratégias de domínio e poder que estarreceu esses ex-revolucionários nos seus tempos de luta pelos ideais revolucionários, equipa esses ex-encantados por fazer o bem às pessoas, pois ao longo do tempo e a convivência com o Poder, fez com que se tornassem tiranos fascistas. Com o passar das manhãs em que acordavam sem o adversário, pois já eram Governo a ser contrariado, aproximaram-se das benesses do Poder, e entenderam que o Governo eram eles. No avanço dessa simbiose, confundiram Governo e Estado, e passaram a introjetar a verdade única para si: eram eles o Estado. Copiaram a História, que foi debutada por Luis XIV ao pronunciar, segundo a fonte das lendas e mitos nunca comprovados, "L'État c'est moi", ou "O Estado sou eu".

Parece que o Sr. Lula, que há muito apresenta comportamentos raros, "virou o fio". Acredita que tudo pode, pois conjugou o Poder como ninguém o fez em nosso país, talvez em toda sua história. Contou com o voto popular e o desejo da massa de ser representada por alguém com história sofrida que tivesse a força para lutar contra os que ditavam a pobreza. Nem que isso fosse somente um script desenhado por um roteirista de uma simulada revolução embutida na força do trabalho sério e honesto, de pessoas que sabiam o que era suar para ganhar o pão, sem saber ainda diferenciar nós em gravatas. Esses comuns precisavam de um líder que levantasse o punho para dar o norte para encontrar a fonte que saciaria a sede de muitos. E o Sr.Lula cumpriu o seu destino, como também começa a cumprir o destino da tirania e dos ditadores. Confundiu-se com o Estado, coloca-se em posição de onipotência, e acredita que tudo pode dizer para moldar o pensamento de seus outrora seguidores. Lula "virou o fio". Com o excesso de atividades e responsabilidades - como a de perpetuar o PT no Poder - não dá mais conta de separar o que é real do que é produto de devaneios. É visível e evidente que tem dificuldades para diferenciar o que é real do que é fruto de sua "mente sombra", que se manifesta através de breves momentos em que sonha, ou tem breves pesadelos, ainda que esteja acordado. Suas atuações na campanha de sua leal candidata comprometem uma instigante história que estivera encenando até o momento crucial em que percebeu que era um pouco mais igual do que os outros iguais que caminhavam consigo.

A História devolve as encomendas sem endereço, pois não suporta mentiras. Parece que o Sr. Lula está se comportando como um remetente com intenções distorcidas. Como brasileiro e cidadão que sou, devolvo o que não é meu. Prezado Sr. Lula, o que foi enviado pela sua perversa equipe de jogo político em seu mais desastroso sentido, devolvo-lhe. O que é seu, fique consigo, pois o que está sob minha responsabilidade, sei cuidar. E vocês, há muito tempo, não têm minha confiança. Por mim e por muitos que estão sufocados, respeitem-nos!

Desejo a você bom domingo
Hermes Balbino"


Ainda em dúvida em quem NÃO votar no Domingo? Veja esse post com 9 razões para você NÃO escolher o PT.

Mais artigos sobre Política e Estado nesse link.


Comentários

  1. Muito bom o texto, a carta e os links ! Valeu !

    ResponderExcluir
  2. LULA. PAEA NÃO SER DEMITIDO FEZ A OPSAO DE "SOFRER UM ACIDENTE", ASSIM SW APOSENTOU CEDO. O camimho estava aberto para criar a maior quadrilha que ja existiu no BRASIL.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

kindle

Leia também:

O adeus ao cartão Infinite, às "milhas aéreas" e a opção ao Nubank

Liberdade e poder: os direitos naturais de John Locke revisitados

Porque abri uma conta no banco Inter e deixei de usar o Bradesco