Kidle 100off

O terrorismo compondo o medo no discurso da esquerda

Os artigos de sites-chapa-branca que revelam a má fé, a hipocrisia e o maniqueísmo do discurso da esquerda, levados ao extremo na disputa política.

A estratégia dos artigos de sites chapa-branca, que evidenciam a ignorância, a má fé, a hipocrisia e o maniqueísmo do discurso da esquerda levados ao extremo na disputa política.


Há cerca de 15 dias me propus a receber pelo feedly as notícias de um portal na web que compõe o chamado grupo “chapa-branca”, termo cujo significado pode ser debatido mas vou usá-lo nesse momento como um rótulo para a imprensa cuja única função é defender o lado de lá: a revolução gramsciana, o peculiar coletivismo, o governo atual e seus bracinhos sociais, como o MST, MSTS, MPL, a CUT e demais vermelhinhos. Tentei fugir dos mais óbvios, que contém páginas iniciais cheias de propagandas do governo e suas estatais. Seria demais. Acabei escolhendo um que possui uma grande audiência e tenta aparentar um nível mínimo de independência ao menos no título das matérias, o Pragmatismo Político (que na verdade, é especializado em incitar ódio e divisões entre pessoas). Iniciando a leitura de algumas delas, entretanto, percebe-se nitidamente o viés político de seus colaboradores.

Nada contra vieses. Não acredito que a imprensa deva ser totalmente isenta. Em todas as postagens, sempre o autor deixa transparecer sua opinião, e é bom que seja assim. Estimula o debate e possíveis reconsiderações. O que é condenável é a propagação de mentiras e ataques a indivíduos que pensam de forma diferente, invertendo totalmente o sentido de seus argumentos para chegar à conclusão que desejam. Para essa gente, ser contra eles é ser inimigo, em sua visão maniqueísta de mundo. Como, por exemplo, a crítica à Morgan Freeman nesse link. Freeman é uma entre as milhões de pessoas de pele negra que desejam ser vistos como pertencentes a um só grupo - o humano, mas a ideologia de “raça”, a estratégia de dividir para conquistar tão presente na revolução gramsciana não permite que as pessoas pensem - e sejam, dessa forma.

Outro artigo, que até esse momento foi o mais lido entre os TOP5, foi escrito por Frei Betto e deixa pairar uma ameaça que o fascismo está infiltrando-se no Brasil. O artigo é cheio de contradições e deixa transparecer a óbvia afinidade entre o fascismo e o socialismo. Pelos argumentos que usa, torna-se natural atribuir ao regime cubano ou venezuelano o rótulo de fascista, o que é correto, embora o objetivo do autor seja diferente. Detalharei mais entretanto um artigo que saiu ontem de Igor Fuser, professor de relações internacionais de UFABC. Repleto de títulos e escritor de vários livros, ele nos mostra como um currículo recheado não é necessariamente, uma consequência de inteligência. Ou honestidade intelectual. Ele escreveu um artigo – E se a direita vencer no Brasil? com tantos absurdos, que até os leitores do site o ridicularizaram na seção de comentários.

A desonestidade intelectual já começa no título. Direita? Onde está a direita no Brasil? Será que é expressa pelo Pastor Everaldo? Não, já no primeiro parágrafo ele nomeia a ameaça – Aécio Neves. Para uma pessoa com toda essa bagagem de estudos, não tem outro nome: é uma deslealdade com o leitor. O PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira é, e sempre foi de esquerda, fundado à luz dos partidos de esquerda de Europa, cujos princípios muitos militantes do PT defendem. Claro que possui uma tendência de esquerda mais moderada comparada ao grupo que se apossou do poder hoje, mas infelizmente, possui o seu mesmo pensamento coletivista. Com nenhum brilho originando dos meus olhos, a minha opinião referente ao PSDB é seca: uma alternativa menos pior nas urnas.

Ele segue ardilosamente no seu teor apocalíptico de que, se eleito, Aécio expulsará todos os médicos cubanos, contradizendo o que o candidato afirmou anteriormente. E o acusa de incitar a inauguração de uma nova “Alca” com a União Europeia e desmantelar o Mercosul. Nunca vi nenhuma declaração a respeito disso, mas não seria uma má ideia, uma vez o Mercosul hoje virou um grupo cujas funções políticas perpassaram em muito as vantagens econômicas que seus países pudessem desfrutar dessa união. E com a típica hipocrisia de esquerda, enaltece palavras de Fidel Castro, o ditador que mantém milhões de pessoas em sua ilha-presídio sem o direito de escolher seus próprios destinos. Fuser ainda nos faz rir quando coloca o pseudo-grupo BRIC como a “articulação central no combate ao domínio unipolar do planeta pelo império estadunidense, (que) sofrerá um baque”, com a suposta saída do Brasil. Ele realmente acha que a Rússia e a China, no seu afã do eurasianismo estão contando com o Brasil. Professor, vamos falar sério, né?

O embuste continua ao final do texto, quando escreve que muitos golpes de “direita“ podem ocorrer com a vitória do PSDB. Sim, porque apoiar direitos humanos só é bom se tal ação estiver alinhada ideologicamente ao que ele pensa. Vozes que recriminam a repressão dos protestos na Venezuela são golpistas para o professor. E o seu terrorismo falacioso chega ao ápice quando diz “… as forças das trevas, como o lobby sionista internacional, ganharão um aliado incondicional em Brasília”. Forças das trevas? Isso é sério? Maniqueísmo levado ao extremo! A possibilidade de derrota nas urnas gerou um discurso do medo, similar à propaganda do PT veiculada semanas atrás. E pasmem, esse cara é um professor de universidade! Imaginem se essas aulas são ideológicas ou não?

Muita pena desses alunos…

Artigos relacionados:

Comentários

  1. Concordo com vc, quando diz "uma alternativa menos pior nas urnas."
    Ainda nesse final de semana estávamos conversando com um amigo, sobre a eleição/reeleição, Aécio também não é bom, mas vale a alternância do poder, já que o negócio está ruim !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Azul. Infelizmente não temos opções melhores. Mas nada é pior do que mais 4 anos de PT. Perigo...

      Excluir

Postar um comentário

kindle

Leia também:

O adeus ao cartão Infinite, às "milhas aéreas" e a opção ao Nubank

Liberdade e poder: os direitos naturais de John Locke revisitados

Porque abri uma conta no banco Inter e deixei de usar o Bradesco