Textual description of firstImageUrl

A ética tacanha de Robin Hood

Assumir o papel de Robin Hood e desejar a distribuição de riquezas através da força e coerção é estar ao lado de atitudes imorais perante as pessoas.
Com o dinheiro dos outros sempre é fácil

Assumir o papel de Robin Hood e desejar a distribuição de riquezas através da força e coerção é estar ao lado de atitudes imorais perante as pessoas.


Há mais de dois meses publiquei que  a“Transferência de riqueza e igualdade de renda são conceitos imorais”, onde enfatizo que o fluxo de riqueza, quando não desvirtuado pelo Estado, é naturalmente orientado para as pessoas e setores eficientes e eficazes, refletindo inerentemente a meritocracia nos processos. Esse fluxo de riqueza ocorre principalmente pelo esforço voluntário dispendido de cada indivíduo em sua atividade particular, e pode ser estimulado e potencializado por suas habilidades natas ou por uma escolha pessoal. Assim, cada pessoa deve ser hábil para avaliar se a troca de seu tempo por uma determinada recompensa é (ou não) um caminho válido para a realização de seus desejos, refletindo assim diferentes motivações.

Ainda nesse raciocínio, é claro o quanto é um ato imoral a retirada, por alguém ou uma entidade, de parte da riqueza de quem honestamente a conquistou e entregá-la a quem não demandou o esforço correspondente, como aos nossos burocratas e empresários favorecidos pelo sistema, beneficiando assim os setores improdutivos da sociedade e perpetuando essa lógica nefasta. A defesa desse sistema pelos entusiastas da distribuição de renda é utilizar um suposto atestado de integridade, fazendo com que pensemos que os reais beneficiados são as pessoas mais pobres, enquanto no fundo, eles são os maiores prejudicados a longo prazo. Escrevi posteriormente “Como ajudar genuinamente os pobres e necessitados” onde comento ações que são os reais meios de construção de riqueza que eliminarão de fato a pobreza a médio prazo, mas que passam longe do discurso social dominante.

Possuidoras desse dissimulado atestado de integridade e de uma auto-atribuição do bem, as pessoas defensoras da distribuição de renda possuem um conceito ético que se assemelha muito ao pensamento de Robin Hood, que Ayn Rand descreve claramente em seu romance “A Revolta de Atlas”:
“(Robin Hood) é tido como o primeiro homem que assumiu ares de virtude por fazer caridade com dinheiro que não era seu, por distribuir bens que não produzira, por fazer com que terceiros pagassem pelo luxo de sua piedade. Ele é o homem que se tornou símbolo da ideia de que a necessidade, não a realização, é a fonte dos direitos; que não temos de produzir, mas apenas de querer; que o que é merecido não cabe a nós, e sim, o imerecido. (...) É essa criatura infame, esse duplo parasita que se alimenta das feridas dos pobres e do sangue dos ricos, que os homens passaram a considerar ideal moral."
Ou seja:

1) Ele nada produzia. Assim como o governo e os burocratas;

2) Ele distribuía o dinheiro dos outros, não o seu (e claro que deveria reter uma “parte”, pois ele precisava também de comida, diversão e arte, pois ninguém é de ferro). Assim como o governo e os burocratas;

3) Ele estimulava a ociosidade, pois ao invés de promover a realização, promovia a necessidade como fonte de direito. Assim como o governo e os burocratas;

4) Ele sugava tanto os pobres (que ficavam em sua dependência) como os ricos e legitimava uma ética que justifica atos imorais (meios) baseados em valores (fins) alegadamente justos. Assim como o governo e os burocratas.

E esse é um dos pilares dos discursos atuais da esquerda. O mundo onde Robin Hood é um herói. Um mundo perturbado.

P.S.: Existem outras abordagens que revisitam a lenda de Robin Hood, tratando-o como uma pessoa que, revoltada com os pesados impostos, roubava-os dos burocratas e beneficiários do reino da Inglaterra e "devolvia-os" aos pobres. Não conheço fontes confiáveis, porém, para essa abordagem. Mantive aqui nesse artigo, a história clássica, de roubar dos ricos (sem vincular essa riqueza a outro roubo) para dar aos pobres. Em outros artigos sempre fiz essa distinção: que a riqueza merecida, é a riqueza adquirida por vias legais e por esforços próprios.

 


2 comentários:

  1. Caramba, André! Nem agora que saiu a convocação da seleção brasileira vc dá trégua! Fica aí criticando as nossas lendas da infância, desenhos animados e brincadeiras... Um dos meus primeiros gibis da Disney era com uma longa história do Robin. Está na cara que é justo dividir o q temos mto com as pessoas que tem pouco! Por exemplo, se eu tenho uma vaca e vc não tem nenhuma, eu tenho q matar a minha vaca e dar a metade dela pra vc, certo? Ainda comemoramos fazendo um churrascão! O amanha? Bom... acho q devemos deixar o amanha pra Deus decidir, né? Afinal, nem sabemos se estaremos vivos ou mortos... kkk

    Ironias e brincadeiras a parte, mais uma vez, mais um texto mto bem escrito. Parabéns como sempre!
    E tb como sempre, tb não concordo com tudo. Neste caso, principalmente sobre este fluxo ideal de distribuição meritocrática - excelente, mas para mim algo como só no mundo ideal - e sobre o discurso atual da esquerda estar basicamente dentro dos 4 pontos da conclusão do texto. Mundo ideal por mundo ideal, no conceito original da esquerda, existe apenas uma busca em reduzir as desigualdades injustificadas. Claro q sei o que esse conceito dá margem, mas acho valho dar o peixe para quem não tem forcas ou nem sabe segurar a vara. Assim os filhos dele terao a chance de ganhar sua própria vara e pescar seu peixe.
    Abracao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cabeça, sobre uma reflexão sobre vacas, deixo para você esse vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=COI889Uc25E . E sobre amanhã, acho que você está lendo muito Keynes. Cuidado hehe.

      Sobre o discurso esquerdista, eu disse que esse é UM de seus pilares. Bem diferente do que vc citou. E não editei o texto não haha.

      Você sabe que não sou malvado. Existem certos casos em que é necessária uma ajuda sim. De peixe, muito peixe! Mas acredito que temos formas muito melhores de tratar isso. Os vários Memeis espalhados no Brasil são um exemplo disso.

      Abração!

      Excluir