Nova loja eletronicos Amazon

Esse ano vote no PT e conquiste uma Venezuela só para você

O golpe das "elites" na Venezuela, segundo o PT
O golpe das "elites" na Venezuela, segundo o PT

Como podemos ser a Venezuela amanhã, caso o PT seja novamente eleito esse ano.


Multidões saem à rua para protestar na Venezuela, mesmo diante de grande repressão governamental. Segundo nosso governo do PT, é um golpe da "elites", seja lá o que isso significa. É difícil encontrar tanta "elite" em um país arrasado economicamente. Há uma infinidade de razões para tais atos protestos. O “socialismo do século XXI” produziu no país nos últimos anos os mesmos resultados que produziu no século passado em outros locais: empobrecimento geral da população, uma das maiores taxas de criminalidade do mundo, racionamento de insumos básicos (além de comida, até papel higiênico falta no país), apagões de eletricidade e principalmente, supressão da liberdade e dos direitos individuais de seus habitantes. Não vou me aprofundar nas condições econômicas e na falta de liberdade do país aqui. No caminho para uma ditadura como a cubana, é notório que esse mesmo país que possui uma das maiores reservas de petróleo do mundo está mergulhado em um caos e existem várias fontes para consulta. Vou me ater aqui somente ao processo que a Venezuela passou e que, se prolongarmos a estrutura vigente de poder hoje no Brasil,  mantendo o governo petista no cargo máximo, existe uma boa probabilidade para que ocorra aqui o mesmo desdobramento.

A Venezuela é a primeira grande experiência da esquerda latino-americana, com a Argentina e o Brasil na fila, representada nas Atas do Foro de São Paulo, organização financiada pelo narcotráfico e criada por Lula e Fidel Castro, cujo intuito é realizar um contra-peso na perda dos regimes socialistas da Europa Oriental. De quebra, dá suporte ao regime da ilha-presídio cubana. O programa “Mais Médicos” e a construção do porto em Mariel não são frutos do acaso. Seus integrantes defendem a implantação do velho sistema socialista-coletivista, que dividiu a Venezuela em duas partes: aqueles que obtém as vantagens do sistema (em geral os governantes e burocratas das autarquias e empresas estatais) e o restante da população. Claro que o sistema foi eficaz – para os amigos do ditador, que para manter-se no poder, usou de todos os estratagemas possíveis para ganhar as eleições, como as diversas bolsas-esmolas, o tempo desproporcional de exposição na mídia (hoje quase que totalmente controlada pelo governo) e a ameaça constante a grupos de oposição. Para sustentar o socialismo, o único sistema político viável é uma ditadura. Quem conhece um mínimo de História Mundial entende essa lógica.

O processo que se desenvolveu na Venezuela não ocorreu de imediato. Ele sobreveio exatamente como escrevi na postagem Liberdades Restritas, onde usei a ilustração do sapo na água que vai esquentando aos poucos e, em seu conforto efêmero, não percebe que está sendo levado à morte. Nosso país está passando exatamente por essa fase. O pensamento dos ditadores venezuelanos e do governo petista é o mesmo. Porém aqui, em função de algumas instituições mais sólidas, o processo não tem sido tão rápido como lá, embora já esteja num nível preocupante. Uma nova vitória do PT nas eleições de outubro escancarará a porta para que isso torne-se possível, legitimando mais ações do governo na supressão de liberdades individuais.

A estrutura de apoio e votos que o partido construiu no Brasil é assustadora. Através de bolsa-tudo, mantém uma enorme rede de dependência, cujos integrantes não querem correr o risco de perder seus benefícios. Sufocou protestos, comprando sindicatos e a UNE. Os únicos protestos “permitidos” são no estado de São Paulo, cuja captura do governo é seu maior desafio. Está a um passo de obter a maioria, através dos ministros amigos, no Supremo Tribuna Federal, maioria que provavelmente será conquistada em um novo e eventual governo Dilma. Tenta a todo custo criar maneiras de impedir a livre manifestação da imprensa, seja através de leis definidas como a de democratização da mídia ou pela estratégia de financiamento dos blogs sujos de esquerda, que são obedientes em fazer o papel de ridicularizar as opiniões das pessoas que não pensam como eles. Não querem o debate, querem apenas a difamação.

Não querer o debate mostra o lado bom da situação: a esquerda não tem, na verdade, um discurso consistente. O seu apoio hoje provém basicamente das pessoas que são interessadas no modelo pois obtém contrapartidas, e de pessoas que na verdade não sabem o que está acontecendo. Os líderes que defendem esse modelo tem sim, o temor do esclarecimento justamente dessa parte da população. Mas como acredito na evolução da espécie, e possuindo um amplo meio para a divulgação de ideias como a Internet (mesmo lutando contra todas as verbas oficiais e censura), creio que não seguiremos o caminho de nossos vizinhos, ratificando o otimismo que demonstrei no artigo “Admirável Mundo Novo: até quando uma ficção?”. Mas para isso, precisamos fazer nossa parte que é não reeleger novamente o PT. Não dá para alterar o passado, mas podemos evitar esse futuro. Um mesmo grupo estar há 16 anos no poder não é saudável para um país. Ou vamos esperar a água ferver?

Mais artigos sobre Liberdade e Política nesse link.

Veja também um texto de Mario Vargas Llosa, sobre os confrontos na Venezuela, publicado em 04/05/2014.

P.S.: Eu havia proposto a mim mesmo escrever uma série de 3 postagens sobre os roubos ao assalariado em sequência, mas a situação venezuelana chegou em um ponto em que eu não podia mais esperar. Volto em seguida com a continuação das postagens do FGTS e INSS com o tema das contribuições sindicais.


Comentários

  1. Uma coisa que eu venho dizendo desde 2005 é que essa situação calamitosa só poderá começar a ser modificada quando as condições econômicas começarem a incomodar. Graças à incompetência petista, parece que isso começa a acontecer, embora o peso das bolsas-tudo seja significativo. A responsabilidade da oposição tem que ser cobrada.
    A depender da forma como Aécio se comporte (se não fosse ateia rezaria para Eduardo Campos/Marina Silva não convencerem como alternativa) na campanha, poderá inspirar segurança nesses dependentes dessas bolsas. É terrível isso, mas neste momento é preciso que os bolsistas sintam-se seguros. Quem sabe se, em caso de ser eleito, Aécio acabe encontrando uma forma de subtrair, e não somar os bolsistas, por meio de capacitação e da criação de oportunidades de emprego?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade! A economia, o dinheiro é determinante para as eleições, embora todos os discursos esquerdistas foquem basicamente no social. E sim, eles estão perdendo esse bonde...

      Eu não sou fã do PSDB, mas também acredito que ele tenha o candidato menos pior de todos. De fato, precisamos dele para podermos ter a liberdade de mudar mais para a frente, pois se o PT ganhar de novo, com a aparelhagem cada vez maior do estado, vai ficar mais difícil...

      Excluir
  2. VAMOS REELEGER A NOSSA DILMA, JÁ NO PRIMEIRO TURNO.
    VIVA A DEMOCRACIA, QUE NOS POSSIBILITA DISCORDAR E DISCUTIR NOSSA IDÉIAS.
    60.000.000 DE VOTOS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Discordar é fácil, porém discutir, de forma racional, já é um pouco mais complicado...

      Excluir

Postar um comentário

kindle

Leia também:

O adeus ao cartão Infinite, às "milhas aéreas" e a opção ao Nubank

Liberdade e poder: os direitos naturais de John Locke revisitados

Porque abri uma conta no banco Inter e deixei de usar o Bradesco