Postagens

Mostrando postagens de Março, 2013

Dias 106 a 109 da viagem: Siem Reap, Camboja, berço do Angkor Wat

Imagem
A viagem à Siem Reap, interior do Camboja e ao Angkor Wat, uma maravilha de sítio arqueológico: uma das maiores cidades do mundo da Idade Média ocidental.
De Phnom Pehn fui a Siem Reap de van com uma irlandesa que conheci no hostel. A viagem deveria demorar 5 horas, mas levou 6. Muito melhor do que o esperado para os notórios atrasos na Ásia. De qualquer forma, como saímos bem cedo, chegamos após o almoço na cidade e conseguimos descansar um pouco. Na chegada, pegamos um tuktuk ao novo hostel e posteriormente já agendamos com ele para ser nosso motorista nos templos de Angkor Wat no dia seguinte. O calor estava muito forte e a princípio, apenas tomei um banho e fiquei no ar condicionado. No final da tarde, com a temperatura um pouco mais baixa, vimos alguns templos, uma apresentação de um recital em uma escola infantil (por acaso) e fomos jantar. O dia seguinte começaria cedo, pois escolhemos a visita do nascer do sol em Angkor, isso é, o motorista passaria no hostel às 05 e meia da m…

Dias 102 a 105 da viagem: Phnom Penh, surpresa na capital do Camboja

Imagem
Relato da viagem a Phnom Penh, capital do Camboja, uma das piores vítimas da loucura dos ditadores. Mas uma cidade que surpreendeu!
A ida ao Camboja foi planejada sobretudo para a visita do complexo de Angkor Wat, em Siem Reap, que será comentada no próximo post. Porém, conhecer sua capital fez-me rever alguns pré-conceitos que eu tinha desse país. Foi, provavelmente, o primeiro país que eu não imaginava ser como é. Ao menos em relação aos lugares em que passei. Para quem sempre gostou de geografia econômica, o Camboja é conhecido por ser um dos países mais pobres do mundo, com renda per-capita da mesma magnitude da África subsariana, e um IDH que o coloca na 138º em um total de 189 países. Além disso, o país é um dos recordistas em percepção de corrupção no mundo, ocupando a 157º posição em uma lista de 174 países. Eu esperava encontrar muitas situações que ilustrem essas condições, principalmente após o choque de modernidade que recebi em Kuala Lumpur. Mas não foi exatamente o que o…

Dias 95 a 101 da viagem: Kuala Lumpur, a moderna capital da Malásia

Imagem
Viagem à moderna e cosmopolita capital da Malásia, Kuala Lumpur. Um exemplo de administração, limpeza e organização. Um exemplo de capitalismo para o Brasil.
A chegada em Kuala Lumpur no final da tarde prenunciou como seria toda a semana: grandes pancadas de chuva à tarde. Lembrou-me um período em que fiquei em Belém onde toda a tarde, praticamente no mesmo horário, chovia. A cidade impressionou logo na chegada. Altíssimos edifícios, amplas avenidas e dezenas de gruas revelam uma cidade que se moderniza muito rápido, e está em pleno processo de desenvolvimento. O transporte público, recheado de opções além dos ônibus, como metrô, trens elevados e trens suburbanos mostram a aposta correta: o trânsito, apesar do fluxo enorme de veículos, não é caótico. A miséria aparente é muito menor do que vi nos países anteriores, incluindo a Grécia e a Turquia, e muitos espaços de lazer, como imensas praças com jardins muito bem cuidados florescem pela cidade.

Assim como relatei em Penang, Kuala Lum…

E chega a metade da viagem! 100 dias!

Imagem
Sentimentos, estados, superações e pensamentos após 100 dias de viagem...
… de saudades de pessoas que lhe faz feliz

… de vontades e confortos “home sweet home”, como um pássaro longe do ninho

… de ausência de estabilidade mental – tudo muda o tempo todo e muito rápido

… de ausência de exercícios anaeróbicos, de presença de muita "junk food" e diminuição de massa muscular

… sentindo-se um analfabeto em boa parte das simples situações, como comprar algo no supermercado

… de muita humildade e perseverança em ter de descobrir infinidades de coisas sozinho

… presenciando inusitadas ações, comidas, diversões e artes que provavelmente nunca verei no Brasil

Dias 91 a 94 da viagem: Georgetown, ilha de Penang, Malásia

Imagem
Relato da viagem à bela ilha de Penang, cidade de Georgetown, na Malásia. Pontos altos do passeio: trilha no Parque Nacional e a herança inglesa do século XVIII.
E vamos ao sexto país da viagem: Malásia! Como comentei no post de Krabi, fiz uma opção para uma viagem mais sossegada e sem preocupação, pagando um assento em uma van particular. A viagem a partir de Krabi passou pela cidade de Hat Yai, onde almocei com um sérvio que vim conversando no caminho e onde também trocamos de van. A passagem na fronteira ocorreu sem problemas. Tanto na Tailândia quanto na Malásia brasileiros não precisam de vistos, o que facilita o trâmite. As estradas de ambos os países estão muito bem conservadas, tornando a viagem rápida e confortável, embora a longa distância e a parada para o almoço fez com que gastássemos no total quase 8 horas. Decidi na Malásia fazer uma parada em Penang, uma grande ilha que abriga a capital do estado de mesmo nome e uma das mais importantes cidades do país: Georgetown. O n…

Dias 87 a 90 da viagem: Krabi, Au Nang e Koh Phi Phi, Tailândia

Imagem
Relato de viagem a Krabi, Au Nang e ilhas de Koh Phi Phi. Cenários paradisíacos  na Tailândia, dignos de total relaxamento.
Após ter conhecido Koh Samui, uma das ilhas do lado leste da Tailândia, fui a Krabi, uma cidade que fica na margem oeste do litoral do país banhada pelo estuário do Rio Krabi e do Mar de Andaman. Krabi é a capital de uma província que inclui o vilarejo de Au Nang (onde fica a melhor praia da cidade) e das ilhas de Koh Phi Phi, imortalizadas no filme “The Beach”. A cidade é bem organizada, bonita e possui uma ótima infraestrutura, apesar de possuir menos de 30mil habitantes. Possui um grande e bonito templo na área central da cidade, e mescla grandes oportunidades de compras e alimentação junto aos locais, como também um razoável shopping center no centro. Não possui, porém, uma praia para passar um período do dia. Praia decente, apenas em Au Nang, um subdistrito da cidade. Cheguei no final da tarde e jantei no Mercado Noturno, em frente ao rio. Experimentei uma t…

A saída e a ampliação da zona de conforto - e um quiz sobre o rock brasileiro

Imagem
Como uma viagem solo nos impele a sair da zona de conforto, ampliá-la através da sabedoria e ao mesmo tempo, trazer uma potencial liberdade nesse confronto?
Desde a nossa infância, por influências familiares, escolares e religiosas, criamos fronteiras onde o permitido e o proibido estão claramente definidos. Onde a maioria das consequências de nossas ações podem ser previstas e onde as nossas atitudes não desejam ser causa de nenhuma situação incômoda.

Essas delimitação de fronteiras pode ser entendida como uma construção pessoal, inconsciente, invisível que denominamos de “zona de conforto”: um lugar que caminha paralelamente com a realidade do nosso dia a dia e que oferece uma resistência muito grande para ser transpassado.

A zona de conforto confunde os mapas mentais da nossa realidade (como as coisas são) com os mapas de nossos valores (como as coisas devem ser). Está em um território que impede que sua liberdade real seja expressa. Uma região que deixa você com tantos motivos par…

Dias 84 a 86 da viagem: a ilha de (Koh) Samui e Surat Thani, Tailândia

Imagem
Relato da viagem à ilha (Koh) Samui, no golfo ao sul da Tailândia, próximo à praia de Chaweng. Sol, lindas praias e paisagens.
Como relatei no post de Chiang Mai, a viagem até Koh Samui foi muito cansativa, e o cansaço impediu de certa forma a apreciar essa travessia norte-sul do país, com mais de 1.400 km de distância. A interferência desse cansaço foi um elemento adicional nesses dias, bem como escrevi no post “Viagens: o elemento esquecido”. Talvez deveria ter ido contra meus critérios de viajar lentamente e ir pelo ar, estrada rápida que estou deixando apenas para distâncias maiores ou travessias oceânicas (até agora foram “apenas” 7 vôos e existe uma programação de mais 7 até eu chegar na Europa de novo). O fato é que, em Koh Samui eu estava em uma das ilhas com algumas das praias mais belas da Tailândia, e precisava escolher entre conhecer muita coisa e não curtir (a ilha é relativamente grande – uma volta completa pela estrada de carro levaria umas 3 horas, sem paradas) ou mante…

Dias 79 a 83 da viagem: Chiang Mai, Tailândia, em longas horas de trem

Imagem
Relato da viagem à velha cidade de Chiang Mai, retorno a Bangkok e ida a Surat Thani e Koh Samui, em longas horas de trem.
Esses dias de viagem foram um pouco conturbados… Andar de trem na Tailândia é um exercício de paciência, pois são muito vagarosos além de não cumprirem horários. A viagem de Ayutthaya a Chiang Mai, que deveria durar 14 horas, durou duas horas a mais. Quebra qualquer um. Apesar de estar imerso na minha viagem lenta, alguma vezes eu boto a cabeça para fora e penso com todas minhas forças: vaaaaaamos, quero chegar logo! Mas daí repenso minhas prioridades, internalizo que o caminho também é importante, pode ser agradável e passo a pensar um pouco sobre ele. A paisagem não é digna de apreciação, então penso em escrever e ler um pouco no laptop. Não, impossível... não há tomadas para carregar a bateria e a havia esgotado na estação de Ayutthaya. Penso em ouvir música, mas a bateria do celular também está fraca, e quero guardar algo para o GPS. Ok, sim, eu quero chegar l…
ofertas amazon