Dias 102 a 105 da viagem: Phnom Penh, surpresa na capital do Camboja

Relato da viagem a Phnom Penh, capital do Camboja, uma das piores vítimas da loucura dos ditadores. Mas uma cidade que surpreendeu!
Cena de Phnom Penh ao entardecer

Relato da viagem a Phnom Penh, capital do Camboja, uma das piores vítimas da loucura dos ditadores. Mas uma cidade que surpreendeu!


A ida ao Camboja foi planejada sobretudo para a visita do complexo de Angkor Wat, em Siem Reap, que será comentada no próximo post. Porém, conhecer sua capital fez-me rever alguns pré-conceitos que eu tinha desse país. Foi, provavelmente, o primeiro país que eu não imaginava ser como é. Ao menos em relação aos lugares em que passei. Para quem sempre gostou de geografia econômica, o Camboja é conhecido por ser um dos países mais pobres do mundo, com renda per-capita da mesma magnitude da África subsariana, e um IDH que o coloca na 138º em um total de 189 países. Além disso, o país é um dos recordistas em percepção de corrupção no mundo, ocupando a 157º posição em uma lista de 174 países. Eu esperava encontrar muitas situações que ilustrem essas condições, principalmente após o choque de modernidade que recebi em Kuala Lumpur. Mas não foi exatamente o que ocorreu.

A capital possui sim seus problemas, como qualquer cidade brasileira, mas também mostra o desenvolvimento de  um bom planejamento urbanístico, preservação e cuidados que não imaginava encontrar em um país com indicadores tão ruins. Existem muitas avenidas largas, bem asfaltadas, arborizadas e com belas praças entre as pistas. Em muitas delas, muitas estruturas de lazer para as crianças. As calçadas, embora usadas praticamente como estacionamento de carros, são bem preservadas e na região central, muitos restaurantes e dois razoáveis shopping centers.


Relato da viagem a Phnom Penh, capital do Camboja, uma das piores vítimas da loucura dos ditadores. Mas uma cidade que surpreendeu!
A avenida Sisowath, que margeia o rio Mekong
A avenida cheia de bares que margeia o rio Mekong é acompanhada de um largo boulevard que é muito frequentado pela população após o final da tarde, quanto o sol dá uma trégua. Existem muitos que usam os aparelhos de ginástica para exercitar-se e grupos de aeróbica participam de aulas ao ar livre. Outros grupos jogam futebol, peteca e vôlei às margens do grande rio, que também é palco de passeios de botes para os interessados. Muitos cestos de lixos nas ruas e praças, traduzindo-se em poucos problemas de acúmulo de sujeira.

A concentração de renda aqui, porém, apesar de o índice Gini do país não ser tão absurdo, aparenta ser grande; muitos, mas muitos carros caros passeiam pela cidade, incluindo Bentleys, Porsches e Ferraris. Mercedes é quase carro popular aqui. A maioria deles estacionam próximos aos órgãos públicos, muitos deles sediados em edifícios magníficos. Considerando a informação sobre a corrupção que reina no país, precisa dizer mais alguma coisa?

Relato da viagem a Phnom Penh, capital do Camboja, uma das piores vítimas da loucura dos ditadores. Mas uma cidade que surpreendeu!
Memórias do absurdo recente
Porém acredito que o país possua uma economia informal muito grande para mostrar tal pujança em comparação o tamanho atribuído à economia. Imagine, o PIB de todo o país de 15 milhões de habitantes é 30% inferior ao PIB de Campinas, com 1 milhão de moradores! De onde vem todo esse dinheiro senão através de uma grande economia informal? Mas, embora esse ponto seja até positivo (menos impostos para o governo e mais dinheiro para as pessoas), o que se pode dizer da informalidade nos processos governamentais, como os projetos que são patrocinados por outros países (e são muitos – construção de praças, saneamento básico, preservação de templos), principalmente Canadá, Japão e China. Será que eles recebem integralmente todos os recursos que são enviados?

Relato da viagem a Phnom Penh, capital do Camboja, uma das piores vítimas da loucura dos ditadores. Mas uma cidade que surpreendeu!
Fotografias dos trabalhos forçados
Mas de qualquer forma, o país está reconstruindo-se. O Camboja foi palco na segunda metade dos anos 70 do século passado de um regime considerado o mais cruel do século, que matou cerca de 2 milhões de pessoas em um total de 8 milhões (25% da população) durante a sua curta, mas trágica, existência. A história pode ser entendida melhor através da visita do antigo escritório S-21, hoje transformado no Museu Tuol Sleng, palco de detenções, interrogatórios, torturas e assassinatos. Apontam-se 20.000 mortes somente nesse local, uma antiga escola secundária. O Museu mantém abertas as salas dos prisioneiros, mostra instrumentos de tortura e muitas fotos, algumas das quais não tive coragem de fotografar. Algo chocante. Mantém uma sala com ossos e crânios encontrados e 14 túmulos para o funeral dos 14 corpos encontrados já em decomposição após a derrubada do regime. 

O regime comunista, liderado pelo insano Pol Pot, inspirou-se posteriormente no maoísmo para construir uma sociedade basicamente agrária, e eliminou muitos que pudessem prejudicar suas estratégias, basicamente as pessoas de boa educação e formação que podiam questionar suas viabilidades, principalmente os professores. São marcas ainda difíceis de remover na memória das pessoas mais velhas do país.

Relato da viagem a Phnom Penh, capital do Camboja, uma das piores vítimas da loucura dos ditadores. Mas uma cidade que surpreendeu!
A grande praça do palácio real
A cidade de Phnom Penh não tem grandes atrações turísticas. Alguns bonitos templos, bem como o palácio real, são alguns locais que merecem ser visitados, mas para quem já passou pela Tailândia, não possui muita novidade. O país também é predominantemente budista e as construções,  muito semelhantes. Eu gastei um tempo a mais na cidade pois fiz meu visto do Vietnã na embaixada daqui, e demorou 2 dias para ficar pronto. Enquanto na embaixada vietnamesa de Kuala Lumpur o visto custava US$100.00, aqui custou-me US$60.00. Ainda caro, mas 40% menos... Para entrar por terra no Vietnã, ter o visto antecipado é a única possibilidade. Aproveitei também para assistir um filme tailandês em um cinema local, com uma dublagem de terceira categoria para o cambojano. Uma comédia meio pastelão, onde a mocinha é uma garota de programa e é objeto de paixão do rapaz bonzinho. Algumas piadas e tiradas eram possíveis de entender, mas muitas vezes o pessoal que assistia se divertia e eu não fazia ideia do que estava acontecendo. De qualquer forma, é uma boa situação para treinar nosso entendimento de percepções corporais alheias.

Mais fotos da cidade e dos cambojanos no Google+ e futuramente no Pinterest.

Próximo post: Siem Reap e Angkor Wat.

Comentários

  1. Oi André! Tudo bem?
    Por seus comentários sobre o planejamento da cidade e reconstrução de Camboja, após a década de 70, não sei se compreendi bem, mas, estas melhorias, reconstrução e estes projetos, como áreas de lazer para a população, são realizados por outros países?
    As pessoas vivem na informalidade por não ter empresas que contratem ou por livre escolha para não dar dinheiro para o governo por conta da corrupção?
    O governo atual investe em educação e cultura, ou como no Brasil, prefere povos incultos para continuar no poder roubando o país?
    É um país democrático ou é como o Brasil? Que se diz democrático e vivem em uma ditadura branca?
    Os políticos são como os daqui? Sem condições nenhuma de estar representando o povo, seja, por falta de caráter, por mal saberem escrever o nome, criminosos e ladrões, que roubam descaradamente o país, porque estão certos da impunidade?
    O povo também se acomodou e tem dificuldade de despertar?
    Muitas perguntas, mas, sei que não é possível analisar tanta coisa em tão pouco tempo. Se não for possível responder sem problemas... É só curiosidade mesmo.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehe.. nossa Nina, não consigo responder tudo isso não... tive minhas impressões aqui mas o que sei de resto eu vejo na internet. não consigo em poucos dias me informar com riqueza de detalhes nesses pontos, até porque aqui também não tive contato mais profundo com cambojanos. Eles mal falam inglês na sua maioria, é difícil...

      Mas vamos tentar alguma coisa! Sim, muitos projetos, como os que eu citei no post são financiados por outros países. Aparentemente o governo não tem recursos para tal. Claro que devem ter outros interesses por aí, pois o país tem alguns recursos naturais a serem explorados, como petróleo e gás natural.

      O governo é monárquico e o rei está lá desde 1993. Com certeza os políticos babam ovo para o rei, como aqui babam para quem está no poder para receber benefícios. Tanto que o país está em um dos piores ligares de corrupção do mundo. E isso prejudica sim a educação da população.

      Já as perguntas mais diretamente ligadas à atitude da população fica difícil responder, pois não tive contato aprofundado com as pessoas. Eu estaria fazendo conjecturas demais e impondo mais a minha visão do que uma realidade propriamente dita.

      Bjus!

      Excluir
    2. Oi André!
      Entendi que tão pouco tempo em um lugar não dá para sentir a cultura e os costumes de um povo, mas, você conseguiu responder as principais perguntas que constata que a corrupção e os malandros no poder prejudicam muito na educação e liberdade do povo em qualquer parte do mundo e com certeza o povo cansado, acaba por se alienar por não encontrar saída.
      Os projetos realizados por outros países deixaram alguns lugares de Camboja mais bonitos e beneficiou a população. Se o povo tivesse liberdade e fosse ouvido, com certeza, exigiria que Camboja fosse vendido para estes países...
      Assim como o Brasil, se todas as estatais fossem privatizadas, acredito que viveríamos em um país de 1º mundo, porque a corrupção seria bem menor e se daria mais valor à educação...
      Sei que posso estar delirando, porque isto poderá nunca acontecer, pelo menos, por enquanto...
      Enquanto isso, sigo escrevendo meu conto sobre o planeta perfeito para que as crianças possam sonhar e quem sabe acreditar que um dia elas poderão crescer e fazer nosso planeta ficar melhor.
      Obrigada pela explicação!!!
      Beijos

      Excluir
  2. Sim Nina! Acrescento apenas que o povo pode continuar alienado não porque não encontra uma saída, mas porque prefere ficar alienado, pois é mais confortável e exige menos responsabilidades. Você já leu Aldous Huxley (O Admirável Mundo Novo)? Escrito nos anos 30, se não me engano, e muito atual!

    Considere para ajudar no seu livro (depois quero saber em detalhes) o que não seria um mundo perfeito (embora pareça)...

    Bjus!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Liberdade e poder: os direitos naturais de John Locke revisitados (1)

Porque abri uma conta no banco Inter e deixei de usar o Bradesco

"Dieta" paleo, low carb e jejum intermitente: minhas experiências